Portos e Terminais
Segurança na Navegação - Porto Vila do Conde
 

› Porto de Vila do Conde


a) Estabelecimento do calado

No Porto de Vila do Conde, o calado máximo recomendado é limitado pelas profundidades dos canais de acesso, quaissejam:

 

- CANALDO ESPADARTE (Baixo do Taipu):12,20m (40,0 pés) na preamar;

- CANALDO QUIRIRI: 13,0m (42,6 pés).

 

A navegação no canal do Quiriri com navios de calados 13,0 metros com manobras no sentido Mosqueiro-Soure está autorizado, à luz do art. 3º da Portaria nº 20-59/CPAOR, de 4 de novembro de 2014.

Observa-se ainda que quando demandando o porto por estes canais, considerando-se a velocidade do embarcaçãoem 8 nós, navios com calado superior a 10,70 m (35,1 pés), deverão levar em consideração amaré da hora, antes de demandar o citado canal, de forma a manter uma separaçãoem relação ao fundo de, no mínimo, 2,28 m (7,48 pés).

 

a.1) TMU-1:

Os calados autorizados para os berços do porto, à luz do art. 1º da Portaria nº 20-23/CPAOR, de 30 de abril de 2015 são:

I - Berços externos (101;201;301; 401):

- Calados limitados ao máximo homologado para o canal de acesso a ser utilizado;

II - Berço interno (102):

- Calado limitado ao máximo homologado para o canal de acesso a ser utilizado;

III – Berços internos (202):

- Calado para atracação: 8,0m (24,34 pés);

- Calado para desatracação: 9,0m (27,38 pés);

IV – Berços internos (302):

- Calado: 9,0m (27,38 pés);

V – Berço interno (402):

- Calado: 9,0m (27,38 pés);

 

a.2) TGL:

I - Berço externo (501):

- Calado de 14,0m (42,60 pés);

II - Berço interno (502): barcaças

- Calado de 14,0m (42,60 pés);

 

a.3) Terminal Rodo-fluvial

I – Rampa: barcaças

- As profundidades não são homogêneas na área de manobras e aproximação para atracação de embarcações a partir do prolongamento do berço frontal da rampa, sendo passíveis de variação relativamente rápida, devido à inclinação do talude natural do leito do rio;

Deve haver consulta permanente à Autoridade Portuária quanto os atuais calados.

 

b) Canal de acesso

O canal de navegação vai da Vila do Conde até a foz do rio Pará com 500m de largura e 170km de comprimento. As profundidades variam de 13m a 15m.

 

c) Velocidade no canal de acesso

 - Sem restrições

 

d) Comprimento máximo do navio

d.1) TMU-1:

As dimensões autorizadas para os berços do porto, à luz do art. 1º da Portaria nº 20-23/CPAOR, de 30 de abril de 2015 são:

I - Berços externos (101;201;301; 401):

- Comprimento total: a critério da Autoridade Portuária;

II - Berço interno (102):

- Comprimento total: 220 m;

III – Berços internos (202):

- Comprimento total: 160 m;

IV – Berços internos (302):

- Comprimento total: 160 m;

V – Berço interno (402):

- Comprimento total: 180 m;

O porte bruto máximo dos navios nos berços externos e no berço102 é até 60.000 TPB e nos berços internos para navios é até 45.000 TPB.

 

d.2) TGL:

I - Berço externo (501):

- Comprimento total: 255 m;

II - Berço interno (502): barcaças

- Comprimento total: 107 m;

O porte bruto máximo das embarcações no berço 501 para navios até 60.000 TPB e no berço 502para barcaças até 12.000 TPB.

 

d.3) Terminal Rodo-fluvial:

I - Rampa: barcaças

- Comprimento total: a critério da Autoridade Portuária;

 

e) Boca de navios

e.1) TMU-1:

As dimensões autorizadas para os berços do porto, à luz do art. 1º da Portaria nº 20-23/CPAOR, de 30 de abril de 2015 são:

I - Berços externos (101;201;301; 401):

- Boca: não há restições quanto à boca dos navios;

II - Berço interno (102):

- Boca: não há restições quanto à boca dos navios;

III – Berços internos (202):

- Boca: 28 m;

IV – Berços internos (302):

- Boca: 32 m;

V – Berço interno (402):

- Boca: 32 m;

 

e.2) TGL:

I - Berço externo (501):

- Boca: não há restições quanto à boca dos navios;

II - Berço interno (502): barcaças

- Boca: não há restições quanto à boca das barcaças;

 

f) Manobras recomendadas

f.1) TMU-1:

I - Berço 101: atracação por BE com corrente da enchente. A desatracaçãotambém deverá ser realizada com corrente de enchente;

II - Berço 102: atracação por BB com corrente de enchente. A desatracaçãotambém deverá ser realizada com corrente de enchente;

III - Berço 201, 301 e 401: atracação por BE com corrente de enchente. A desatracaçãotambém deverá ser realizada com corrente de enchente;

IV - Berço 202, 302 e 402: atracação por BE com corrente de vazante. A desatracaçãotambém deverá ser realizada com corrente de vazante.

 

f.2) TGL:

I - Berço 501: atracação por BE com corrente da enchente. A desatracaçãotambém deverá ser realizada com corrente de enchente;

IV- Berço 502: atracação por BE com corrente de vazante. A desatracaçãotambém deverá ser realizada com corrente de vazante.

 

Em quaisquer dos casos, deverão ser utilizadas 02(duas) lanchasapropriadas, dotadas de VHF para alar as espias, exceto do berço 502, destinado a barcaças.

 

g) Carta de navegação

O porto e seus acessos constam das cartas DHN-321 e 303, devendo ser consultado o roteiro, capítulo V da NPCP, bem como observadas as informações divulgadas nos Avisos aos Navegantes.

 

h) Fondeadouros

Áreas de fundeio estabelecidas nas Normas e Procedimentos da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental – NPCP / 2006, constante na Carta Náutica nº 321:

 

I - Para navios aguardando atracação

a) LAT. 01º31'00"S LONG. 048º46'12"W;

b) LAT. 01º31'24"S LONG. 048º45'54"W;

c) LAT. 01º31'30"S LONG. 048º46'36"W;

d) LAT. 01º31'42"S LONG. 048º46'18"W;

 

II - Para navios em reparo ou manutenção e navios desgaseificando.

a) LAT. 01º32'24"S LONG. 048º47'36"W;

b) LAT. 01º32'42"S LONG. 048º47'18"W;

c) LAT. 01º32'48"S LONG. 048º48'00"W;

d) LAT. 01º33'06"S LONG. 048º47'42"W;

 

III - Para navios em quarentena.

a) LAT. 01º33'12"S LONG. 048º48'30"W;

b) LAT. 01º33'36"S LONG. 048º48'12"W;

c) LAT. 01º33'42"S LONG. 048º48'54"W;

d) LAT. 01º34'00"S LONG. 048º48'36"W;

 

IV - Para navios em operação de carga ou descarga.

a) LAT. 01º34'00"S LONG. 048º49'12"W;

b) LAT. 01º34'12"S LONG. 048º49'00"W;

c) LAT. 01º34'24"S LONG. 048º49'42"W;

d) LAT. 01º34'48"S LONG. 048º49'24"W;

 

i) Balizamento

Manutenção da sinalização náutica do balizamento da bacia de evolução do Porto de Vila do Conde sob a responsabilidade da Companhia Docas do Pará-CDP.

 

- Sinais náuticos estão contidos na Lista de Faróis - Costa Norte e Carta Náutica nº 321 da DHN.

 

Sinal: NRORD: 312,4;        Bóia de Luz: ALBRÁS N°03;

LAT:      01° 32. 68' S          Lp. E;

LONG:  48° 45. 50' W          3s

      E. 0,3 – Ecl. 2,7

 

Sinal: NRORD: 312;           Farolete: PEDRA GRANDE;

LAT:      01° 33.21' S           Lp. B;

LONG:  48° 45.77' W          15s

      B. 0,5 – Ecl. 0,5; B. 0,5 – Ecl. 0,5;

      B. 0,5 – Ecl. 0,5; B. 0,5 – Ecl. 0,5;

      B. 0,5 – Ecl. 0,5; B. 0,5 – Ecl. 0,5;

      B. 0,5 – Ecl. 0,5; B. 0,5 – Ecl. 0,5;

      B. 0,5 – Ecl. 6,5;

 

Sinal: NRORD: 315;           Bóia de Luz: PEDRA DO MEIO;

LAT:      01° 34.16' S           Lp. R (9) Ambar;

LONG:  48° 47.75' W          15s

     B. 0,5 – Ecl. 0,5; B. 0,5 – Ecl. 0,5;

     B. 0,5 – Ecl. 0,5; B. 0,5 – Ecl. 0,5;

     B. 0,5 – Ecl. 0,5; B. 0,5 – Ecl. 0,5;

     B. 0,5 – Ecl. 0,5; B. 0,5 – Ecl. 0,5;

     B. 0,5 – Ecl. 6,5;

 

j) Serviços de rebocadores

O porto dispõe do serviço de 03 (três) rebocadores, oferecido pela empresa Wilson Sons, sendo que os mesmos devem ser agendados com antecedência de 06 (seis) horas. Os contatos da prestadora de serviços estão disponibilizados no link www.cdp.com.br/contatos-uteis.

 

k) Informações complementares sobre Hidrografia e Meteorologia

- Corrente de maré da ordem de 2,0 nós e vento de até 25,0 nós doquadrante N e W, principalmente à tarde e início da noite, acentuados comincidência de chuvas.

- Existe um alto-fundo a montante do pier, limitando o abatimento nessa direção.

 

l) Dimensões das estruturas acostaveis

O Terminal de Múltiplo Uso 1 – TMU-1 é composto por quatro píeres e uma plataforma de transição com extensão total de 1.981m de berços acostáveis, conforme descrição abaixo:

 

l.1) TMU-1:

 

- Ponte acesso - entrada:

 C = 378,00 m ; L = 10,30 m;

- Ponte acesso – saída:

 C = 378,00 m ; L = 10,30 m;

- Plataforma de transição:

 C =  66,00 m ; L = 70,00 m;

- Número de Pieres = 4;

- Píer 100: 

 C = 252,00 m ; L = 45,00 m ; A = 11.29 m²,

 ( berço 101 = 293m; berço 102 = 252m)

- Píer 200:

 C = 210,00 m ; L = 52,00 m ; A = 10.92 m²;

- Píer 300:

 C = 254,00 m ; L = 52,00 m ; A = 13.20 m²;

- Píer 400:

 C = 254,00 m ; L = 52,00 m ; A = 13.21 m²;

- Número de berços = 8.

 

l.2) TGL:

 

- Ponte de Acesso:

 C = 1.309,00 m; L = 4,00 m;

- Número de Dolfins Amarração = 4;

- Número de Dolfins Atracação/Amarração = 4;

- Berço 501 - navios:

 C = 319,00 m;

- Plataforma Navios: 

 C = 25,00 m ; L = 25,00 m; A = 625 m²;

- Berço 502 - barcaças:

 C = 145,00 m;

- Plataforma Barcaças:

 C = 10,00 m ; L = 12,00 m; A = 120 m²;

 

l.3) Terminal Rodo-fluvial:

 

- Rampa Barcaças:

 C = 75,00 m; L = 40,00 m;