Portos e Terminais
Operacionais Óbidos
 

› Porto de Óbidos


a) Estabelecimento do calado

No Porto de Óbidos, o calado para embarcações de pequeno porte não há restrição pelo canal acesso.

Não há ação de maré semidiurna. As profundidades obedecem ao regime de cheia dos rios Amazonas com amplitude máxima da ordem de 8,0m.

Os Calados máximos para atracação nos berços do Porto de Óbidos, quando se prumam 2,25m na régua porto, obedecerão aos seguintes limites:

- Berço 101: 10,0m na vazante e 18,0m na enchente;

- Berço 102: 8,0m na vazante e 16,0m na enchente;

- Berço 103: 8,0m na vazante e 16,0m na enchente;

- Rampa (RE200): 2,0m na vazante e 10,0m na enchente.

Deve haver consulta permanente à Autoridade Portuária quanto às atuais profundidades.

 

b) Canal de Acesso

- O canal de acesso possui mais de 500m de largura.

 

c) Velocidade no Canal de Acesso

A passagem pelas cidades de Óbidos e de Juruti, no rio Amazonas, deverá ser efetuada com a velocidade máxima correspondente a DEVAGAR.

No rio Amazonas, no trecho situado entre uma milha náutica à montante e uma milha náutica à jusante da sede do município de Óbidos, a velocidade máxima dos navios e embarcações não deverá ser maior que 6 nós, a fim de evitar que outras embarcações e as benfeitorias situadas nas margens sofram danos devido à marola.

A uma milha náutica à montante da ilha Juruti, as embarcações quando efetuando "singradura de baixada" deverão observar uma velocidade máxima de 9 nós, a fim de evitar prejuízos às embarcações abarrancadas na cidade de Juruti.

 

d) Comprimento máximo de embarcações

d.1) Plataforma principal:

- Berços (101; 102;103):

- Comprimento total: a critério da Autoridade Portuária;

O porte bruto máximo das embarcações nos berços é até 7.000 TPB.

 

d.2) Rampa:

- Comprimento total: a critério da Autoridade Portuária;

O porte bruto máximo das embarcações é até 2.500 TPB.

 

e) Boca da embarcação

A boca das embarcações atracadas ao Porto de Óbidos não é limitada. Entretanto, não é permitida a atracação a contrabordo de outra embarcação no porto.

 

f) Manobras recomendadas

As manobras devem, preferencialmente, serem realizadas à luz do dia. No berço 101, deve-se realizar manobra de atracação por bombordo.

O tráfego no porto obedecerá à legislação vigente, bem como as regras previstas em convenções internacionais ratificadas pelo país, e aquelas emitidas pela Administração do Porto.

Em quaisquer casos, deverão ser observadas as condições reinantes de vento.

 

g) Carta de Navegação

O porto e seus acessos constam das cartas náuticas nº 4103-B e nº 4104-A, devendo ser consultado o roteiro, capítulo V da NPCP, bem como observadas as informações divulgadas nos Avisos aos Navegantes.

 

h) Fundeadouros

Não há áreas de fundeio estabelecidas nas Normas e Procedimentos da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental – NPCP.

 

i) Balizamento

- Sinais náuticos estão contidos na Lista de Faróis - Costa Norte.

 

j) Serviços de rebocadores

- Não é obrigatório o uso de rebocadores para auxiliar na atracação/desatracação de embarcações.

 

k) Informações complementares sobre Hidrografia e Meteorologia

- Não há ação de maré semidiurna.

- A correnteza de remanso em frente à plataforma principal de atracação, contrário ao sentido natural do rio, é da ordem 3,5nós.

 

l) Dimensões do Porto

As dimensões das estruturas de acostagem, conforme descrição abaixo:

 

l.1) Plataforma atracação:

- Berço 101:                         C = 39,00 m; L =  6,50 m;

- Berço 102:                         C = 22,00 m; L =  4,30 m;

- Berço 103:                         C = 22,00 m; L =  4,30 m;

 

l.2) Rampa escalonada:

- RE 200:                              C = 70,70 m; L =  4,50 m;