Portos e Terminais
Porto de Santarém
 

Localização

Latitude:               02° 24' 54.6" S

Longitude:           54° 44' 18.6" W

O Porto de Santarém, situado na Ponta do Salé, na cidade de Santarém, Estado do Pará, à margem direita do rio Tapajós a cerca de 3 km da confluência com o rio Amazonas e uma distância fluvial de 876 km de Belém. Em frente ao porto se visualiza a Ponta Negra, que delimita a barra do rio Tapajós pela margem esquerda.



Acessos

Acessos Rodoviários: pela BR-230 (Transamazônica) e BR-163 (Cuiabá-Santarém) até o porto, na área urbana, pela Avenida Cuiabá.

Acesso fluvio-marítimo: a partir da barra do rio Pará ou barra Norte do rio Amazonas e através deste até a foz do rio Tapajós.

 


Histórico

O Porto de Santarém começou a ser construído em 18 de dezembro de 1971e foi entregue oficialmente à administração da Companhia Docas do Pará – CDP em 11 de fevereiro de 1974, através do antigo Departamento Nacional de Portos e Vias Navegáveis – DNPVN do Ministério de Viação e Obras Públicas.

A política de governo que objetivava aumentar a participação da Amazônia na economia da nação iniciado no final dos anos 1940 teve seu processo de colonização intensificado a partir da metade da década de 1970 com a transferência de pessoas para a área de abrangência da BR-163, através da implantação do Plano de Integração Nacional - PIN que previa a construção das rodovias Transamazônica, Cuiabá-Santarém e Manaus-Porto Velho e cujo lema era "integrar para não entregar", cujo objetivo era resguardar a soberania da nação na região.

Constitui-se em um porto estratégico de integração entre os modais rodoviários e hidroviário para as cargas que escoam pela BR-163 e pelos rios Tapajós-Teles Pires, interligando assim, os centros produtivos do centro oeste ao Porto de Santarém, no Estado do Pará.

 


Instalações

O Porto de Santarém abrange uma área territorial de 498.370,89 m². Seu território é constituído de vias de tráfego asfaltadas e iluminadas disponíveis à utilização para movimentação de cargas.

Estruturas de acostagem: possui oitos instalações acostáveis composta por píer, dolfins de atracação, cais fluvial, terminal de granéis sólidos, três terminais de granéis líquidos e rampa Ro-Ro.

Píer 100: instalação acostável configurado em formato de "L", construída em concreto pré-moldado, assentes sobre estacas inclinadas, executados em concreto armado, sendo construído na extremidade da ponte de acesso, possui dois berços de atracação 101 e 102 com 200m e 185m de extensão, respectivamente, preparados para receber navios de até 30.000 TPB, sendo destinados a realizar operações com carga geral e granel sólido. O píer foi projetado para sobrecarga de 3,0 t/m².

Dolfins de atracação 200: constituído por um conjunto de estruturas de quatro dolfins de atracação e um de amarração, estruturas assentes sobre estacas inclinadas executadas em concreto armado, localizadas a montante e no mesmo alinhamento do píer 100, formando o berço 201 com 185,6m de extensão, preparado com defensas para receber embarcações de até 55.000 TPB, destinado a realizar operações com granel sólido e o berço 202 com as mesmas dimensões, destinado a operações com barcaças, porém não se encontra operacional.

Cais Fluvial 300: situado na área interna do píer 100, possui um berço de atracação 301 preparado para receber embarcações fluviais mista de passageiros e cargas gerais, sendo composto por uma estrutura de contenção tipo muro de arrimo de flexão e de uma rampa com patamares executados em concreto armado.

Terminal de Granel Sólido 400: terminal arrendado a Cargil, situado à jusante do píer 100, está equipado com uma correia transportadora em estrutura metálica com 374m de comprimento que liga o continente a estrutura de acostagem a qual é composta por cinco dolfins de atracação e dois de amarração, sendo blocos assentes sobre estacas, executadas em concreto armado, destinadas as operações com navios e barcaças. O berço 401 destinado a operações com navios de até 60.000 TPB e o berço 402 destinado a operações com barcaças graneleiras.

Rampa Fluvial - RF: rampa disponibilizada para operações com barcaças no sistema "ro-ro", situada na margem à direita do cais fluvial, preparada em solo natural constituído de material laterítico (piçarra), com largura de 70m.

Terminais de Granéis Líquidos: terminais arrendados, situados junto à margem à montante do cais fluvial, destinados a movimentação de combustíveis, através de balsas tanques.

T01: terminal arrendado a Fogás possui uma plataforma de acostagem construída em estrutura de concreto, uma ponte de acesso em estrutura metálica e dutos para transporte de combustíveis.

T02: terminal arrendado a Raizen Shell, construído em estrutura de madeira, possui uma plataforma de acostagem de dois patamares ligada e uma ponte de acesso que abriga os dutos de transporte de combustíveis.

T03: terminal arrendado a Equador, construído em estrutura de madeira, possui uma plataforma de acostagem de dois patamares ligada e uma ponte de acesso que abriga os dutos de transporte de combustíveis.

 


Armazenagem

Além de contar com área de retroporto preparada para receber a implantação de projetos para o escoamento da produção de grãos do centro-oeste, o porto possui as seguintes instalações:

Armazéns: dois armazéns com fechamento lateral, medindo 60,0m x 25,0m cada um, ocupa área total de 3.000 m².

Gapões: dois galpões sem fechamento lateral com área de 1.200 m²

Pátios Alfandegados: pátio pavimentado com concreto asfáltico com área disponível para armazenagem de 10.000 m² e pátio pavimentado com concreto armado com área preparada para armazenagem de 4.250 m².

Pátios Armazenagem: pátio pavimentado com blocos intertravados de concreto, situado na área desalfandegada, possui área disponível para armazenagem de 6.326 m²

 

ÁREAS ARRENDADAS:

- CARGIL Agrícola S/A: ocupa uma área de 93.597,82 m² e opera na movimentação de granéis agrícolas e dispõe de silo vertical pra secagem de grãos com capacidade de 1.500 t e um armazém graneleiro com capacidade para 60.000 t.

- Distribuidora EQUADOR PP Ltda: ocupa uma área de 28.827,00 m² e opera na movimentação de granéis líquidos com capacidade de armazenagem de 800 m³.

 

- Sociedade FOGÁS Ltda: ocupa uma área de 8.450,57 m² e opera na movimentação de gás liquefeito de petróleo-GLP dispondo de seis tanques cilíndricos pressurizados com capacidade de armazenagem de 60 t cada um.

- RAIZEN Shell Ltda: ocupa uma área de 35.096,90 m² e opera na movimentação de granéis líquidos com capacidade de armazenagem de 5.530 m³.

 


Informações operacionais

A legislação dos portos institui responsabilidades, cabendo à Autoridade Marítima coordenar o estabelecimento de limitações operacionais nos portos e terminais de sua jurisdição e as Administrações dos Portos ou Terminais cabe fixar o limite da área sob sua responsabilidade para efeito de divulgação dos calados máximos recomendados, nos acessos e velocidade de trânsito, bem como divulgar informações de dragagem e balizamento.

Parâmetros técnicos para segurança da navegação e das operações portuárias.

Segurança na Navegação

 


Movimentação de Carga

O Porto de Santarém tem sua vocação voltada para a operação com granéis sólidos e carga geral. Atualmente, opera principalmente com granéis sólidos de origem vegetal e fertilizante, granéis líquidos derivados de petróleo (combustíveis e GLP), passageiros (fluviais e de cruzeiros) e cargas gerais.

 

Estatística

 


Operadores portuários

Relação dos operadores portuários qualificados a atuarem nos portos da CDP.

Operadores Portuários

 


Contato

Administrador do Porto

Vicente Ferreira Sales

E-mail:

vsales@cdp.com.br

Supervisor do Porto

Artur P. Guimarães

E-mail:

aguimaraes@cdp.com.br

CNPJ

04.933.552/0002-94

Av.: Cuiabá, s/n. - Bairro Vera Paz

Santarém/Pará - CEP.: 68.040-4000

Tel.: (93) 3512-8500